Inteligência Emocional e Desempenho no Trabalho: um Estudo com MSCEIT, BPR-5 e 16PF1

Cláudia Cobêro, Ricardo Primi e Monalisa Muniz


O presente trabalho teve como objetivo investigar a validade de uma medida de inteligência emocional correlacionando-a com medidas de inteligência, personalidade e desempenho profissional. Participaram do estudo 119 sujeitos, com idade entre 17 e 64 anos, de ambos os sexos e que trabalham em empresas situadas em municípios do interior do estado de São Paulo. Os instrumentos utilizados foram: Versão em Português do Mayer-Salovey-Caruso-Emotional Intelligence Test (MSCEIT), o Questionário Dezesseis Fatores da Personalidade (16PF), Bateria de Provas de Raciocínio (BPR-5), Avaliação de Desempenho respondido por duas pessoas (um supervisor e um colega). Os resultados apontam baixa correlação entre inteligência emocional e personalidade, bem como com inteligência. Indicam também que a faceta regulação das emoções se correlaciona com o desempenho profissional e apresenta validade incremental em relação à inteligência. Em suma conclui-se que a inteligência emocional constitui um tipo diferenciado de inteligência útil na avaliação psicológica no contexto organizacional. Artigo publicado em Revista Paidéia http://www.scielo.br/pdf/paideia/v16n35/v16n35a05.pdf

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo