• EDUCAÇÃO EMOCIONAL

Família e habilidades socioemocionais: um estudo sobre a pessoa com deficiência em um curso de licen

Joanna Angélica Melo de Andrade


A Educação Inclusiva refere-se à responsabilidade do governo e das instituições de ensino de cada país com a formação e qualificação das crianças e jovens com deficiência, respeitando os diversos tipos de diferenças. Nesse processo de inclusão, três fatores são importantes, além das ações governamentais: 1) as habilidades socioemocionais (HSE) dos estudantes, que lhe garantirão possibilidades de inovação inclusiva e 2) a família, que desempenha papel importante, pois é no lar onde ocorre as primeiras relações interpessoais e por consequência onde o aprendizado começa, e também a formação dos professores que ao estarem mais preparados e dispostos a auxiliar no processo de inclusão podem auxiliar aos alunos com deficiência nesta fase importante de suas vidas. As HSE quando conduzidas adequadamente, preparam o indivíduo para buscar o que deseja, resolver situações cotidianas, discernir comportamentos e decisões, estabelecer metas, entre outras posturas que colaboram para o seu crescimento pessoal, assim como da sua comunidade. Contudo, por vezes, no intuito de proteger e cuidar da pessoa com deficiência, a família acaba por criar impasses que dificultam o desenvolvimento de determinadas competências e habilidades importantes para a vida em sociedade. Diante do exposto delimitamos como objetivo geral identificar e descrever as HSE de uma licencianda com deficiência do curso de licenciatura em biologia da Universidade Federal de Sergipe (UFS), compreendendo possíveis influências da família dessa aluna na construção destas habilidades. Esta é uma pesquisa de natureza exploratória, com abordagem qualitativa realizada através do método estudo de caso único. Ela ocorre no Departamento de Biologia (DBI) da UFS e como sujeitos da pesquisa temos uma aluna com deficiência devidamente matricula, um familiar da aluna (mãe), uma professora no curso e a intérprete de Língua Brasileiras de Sinais (LIBRAS), conferindo um total de quatro sujeitos. Para a coleta de dados utilizamos a entrevista semiestruturada e para a análise dos mesmo, adotamos a Análise Textual Discursiva proposta em Moraes e Galiazzi (2014). Os resultados apontam que a família da licencianda consultada atua equilibrando suas influencias entre o incentivo e a superproteção, havendo também relatos de algumas cenas de preconceito, advindos de parentes de fora do núcleo familiar. Dentre seus familiares sua mãe, parece ser a maior motivadora, e isto pode ser um dos fatores que colabora para a autonomia da aluna ao longo de seu processo de inclusão. Quanto à inclusão na universidade as entrevistadas relatam algumas dificuldades, que se transformam em barreiras, como o preconceito e a resistência de alguns colegas e professores ao longo do curso, contudo estas barreiras foram e estão sendo transpostas pela aluna, e a isto podemos relacionar algumas HSE identificadas, como autonomia, autorregulação, perseverança, organização, autocontrole e responsabilidade, as quais foram e estão sendo desenvolvidas tanto devido a influência do contexto familiar, quanto da própria vida acadêmica. Consideramos, portanto, que a família exerce influência na construção de HSE da licencianda, e que estas HSE estão intimamente ligadas ao desenvolvimento da aluna ao longo do processo de inclusão, e posterior formação. Trabalho original publicado em Biblioteca Digital de Teses e Dissertações Link: https://ri.ufs.br/bitstream/riufs/8007/2/JOANNA_ANGELICA_MELO_ANDRADE.pdf

1 visualização

ASSINE NOSSA NEWSLETTER !

Redes Sociais:

  • YouTube - Black Circle
  • Instagram - Black Circle
  • Facebook - Black Circle

Apoio:

logo redec.png
logo formacao humana.png
hubeducat logo 1.png
6.png
logo UFP.png
LOGO 1 cópia.png